Indústria cresce pelo 3º mês seguido e se aproxima do nível pré-pandemia, aponta CNI

Imagem: orcearo, de envatoelements Imagem: orcearo, de envatoelements

A indústria brasileira continua dando sinais de recuperação e, pelo terceiro mês consecutivo, apresentou melhora nos indicadores e se aproxima do nível de atividade verificado antes da pandemia da covid-19. A Sondagem Industrial de julho, divulgada nesta quinta-feira, 20, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra um aumento na produção mais forte e disseminado. De acordo com a pesquisa, o índice de evolução da produção alcançou 59,4 pontos em julho, ante 52,8 pontos verificados em junho.

"O índice é o maior desde março de 2010, ou seja, revela forte alta da produção industrial no mês, mas é preciso levar em consideração que, em junho, a produção industrial estava em nível muito baixo por conta da pandemia", destaca a CNI. Segundo a metodologia da pesquisa, resultados acima da linha divisória de 50 pontos indicam crescimento com relação ao mês anterior e, quanto mais distante da linha de 50 pontos, mais forte e disseminada é a alta da produção.

Além da melhora na produção, o índice de evolução do número de empregados ficou em 50,9 pontos em julho. Esse é o primeiro mês que o indicador supera os 50 pontos desde fevereiro, período anterior à eclosão da pandemia no Brasil, o que mostra crescimento do emprego na indústria. Em junho, esse índice era de 46,9 pontos. Em abril, período mais crítico da crise no País, o indicador chegou a atingir 38,2 pontos, o mais baixo do ano.

A melhora também foi sentida nos índices relativos à utilização da capacidade instalada (UCI), que chegou a um nível muito próximo ao do período pré-pandemia. Em julho, a UCI teve alta de cinco pontos porcentuais, passando de 62% para 67%. Essa marca é apenas 1 ponto porcentual abaixo do observado em fevereiro de 2020 e julho de 2019.

A Sondagem mostra ainda que a UCI efetiva-usual registrou 44,1 pontos em julho, praticamente o mesmo valor de fevereiro deste ano (44,6 pontos), mas ainda abaixo da linha divisória dos 50 pontos. Segundo a CNI, isso significa que a utilização da capacidade instalada efetiva ainda está abaixo da usual para os meses de julho.

Com relação aos estoques, a pesquisa revela que eles permaneceram em queda no mês passado, abaixo do planejado pela indústria. O índice de evolução do nível de estoques em julho ficou em 45,5 pontos, mostrando a queda. O estoque efetivo-planejado ficou no mesmo valor de junho, 46 pontos, ou seja, o nível atual se encontra abaixo do planejado para o mês. "As empresas continuam a dar preferência à redução dos estoques de produtos finais", destaca a Sondagem.

Para a CNI, em razão da baixa disponibilidade de capital de giro, num cenário que ainda apresenta riscos, a estratégia tem sido de manter estoques num nível baixo, o que pode evitar custos que não se converteriam em aumento de receita.

Expectativas
Com o cenário de recuperação mais intensa, o otimismo ficou maior e mais disseminado pela indústria em agosto. A sondagem revela que todos os índices de expectativa, que já estavam acima da linha de 50 pontos em julho, se mantiveram na trajetória de retomada dos meses anteriores.

A expectativa para demanda em agosto registrou maior valor, de 61,4 pontos, alta de 4,8 pp em relação ao mês anterior. O índice que mede a expectativa de exportação subiu 1,3 ponto, atingindo 52,4 pontos.

Foi registrada nova alta na expectativa de compras de matéria-prima, que ficou em 58,7 pontos, aumento de 4,4 pp em relação a julho. O índice de expectativa de número de empregados também cresceu pelo quarto mês seguido e se afastou da linha divisória de 50 pontos, passando de 50,4 pontos para 53,5 pontos.

O empresário também está mais propenso a investir, segundo a CNI. Em agosto, o índice que mede a intenção de investimento subiu 4,3 pp, chegando a 51,0 pontos. Com isso, o índice acumula uma alta de 14,3 pontos ante abril e superou a média histórica de 49,4 pontos. Mas, ainda assim, ele está 3,1 pontos menor que o verificado em agosto de 2019.

Setores
A pesquisa mostra que essa melhora nos índices de produção, evolução do número de empregados e UCI indica um reaquecimento da produção e redução da ociosidade em quase todos os setores da indústria.

Segundo a sondagem, os setores que apresentaram crescimento mais significativo foram: Borracha, Plástico, Têxteis, Equipamentos de informática e produtos eletrônicos, Veículos automotores, Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, Celulose, papel e produtos de papel, Móveis, Metalurgia e Químicos, todos com índice de evolução da produção acima dos 60 pontos.

Por outro lado, os setores que apresentaram reduções na produção, com índices abaixo dos 50 pontos, foram: Impressão e reprodução de gravações, Vestuário e acessórios, Produtos diversos e Manutenção, reparação e instalação de máquinas e Equipamentos.

A Sondagem foi feita entre os dias 3 e 13 de agosto, com 1.890 empresas.

fonte: Terra, escrita por Sandra Manfrini